domingo, abril 08, 2007

"Pelo sonho é que vamos..."

[...]O mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...
Se Fernando Pessoa disse isto de Jesus Cristo, eu digo que nem consta que Fernando Pessoa alguma vez tivesse subido ou sequer se aproximado do Evereste. No entanto, ele escreveu assim:
Nas encostas dos Himalaias só existem as encostas dos Himalaias. É à distância, ou na memória, ou na imaginação que os Himalaias assumem toda a sua altitude, e até um pouco mais.”
Fernando Pessoa morreu em 1935. Em 1953, tantos anos depois, Edmund Hillary e Tenzing Norgay alcançaram (tanto quanto se sabe, pela primeira vez), na manhã de 29 de Maio, o cume do Evereste. Mais tarde, Hillary escreveu: "Não sei porquê, não me senti particularmente entusiasmado com o nosso sucesso. Senti apenas que me tinha saído bem num grande desafio."
Em 1978, Reinhold Messner subiu ao Evereste. Sem auxílo de oxigénio, foi a primeira vez. Depois, voltou lá em 1980. Foi sozinho, também pela primeira vez. Caroline Alexander, jornalista que o entrevistou, diz que ao atingir o cume, Reinhold experimentou apenas emoções de enfado. E põe-lhe na boca as seguintes palavras: "Se alguém lhe disser que atingiu o clímax no topo do Evereste, é mentira. É um lugar horrível." E, noutra parte, noutro momento, terá dito "Só me interesam as experiências que vivemos, não as montanhas. Eu não sou um naturalista."
Pessoa, Hillary e Messner. E o Evereste. A jeito de que alguém um dia pudesse escrever o poema que nunca é demais reescrever:

SONHO
de Sebastião da Gama
Pelo sonho é que vamos,
Comovidos e mudos.
Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não frutos,
Pelo Sonho é que vamos.
Basta a fé no que temos.
Basta a esperança naquilo
Que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
Com a mesma alegria, ao que é do dia-a-dia.
Chegamos? Não chegamos?
-Partimos. Vamos. Somos.
Próximo apontamento: 15 de Abril de 2007.

Sem comentários: