sábado, abril 03, 2010

O trabalho de Jane Goodall começou há 50 anos.

Tanto que pensamos - apressadamente - que sabemos.
Uma das lições mais importantes do trabalho hercúleo de Jane Goodall tem a ver com o tempo. É preciso tempo para as coisas, é mesmo preciso muito tempo. Quase 40 anos foi o tempo de Jane Goodall, em condições que só uma personalidade e uma vontade pessoal muito especiais conseguiriam. O tempo, esse grande escultor, como disse Marguerite Yourcenar.
Na investigação psicológica e social, hoje em dia, dominam as aplicações das escalas e dos questionários; para a análise dos resultados apuram-se procedimentos estatísticos cada vez mais refinados. Vertiginosamente produzem-se, assim, "conhecimentos novos", em catadupas de mestrados e doutoramentos. Como fruta manipulada na genética e nos processos de cultivo para apressar o amadurecimento.
Jane Goodall, se juntarmos os anos de trabalho difícil na selva aos que agora usa para quixotescamente avisar o mundo, são tantos anos quantos praticamente eu tenho de vida.
Assim saiba eu tirar as lições de vida que tal exemplo merece. Parabéns, Jane! Deverias estar doutorada por todas as universidades do mundo!


Sem comentários: