quinta-feira, setembro 04, 2008

O 11 de Setembro de 1973 de Raúl Iturra

O 11 de Setembro de 2001, com a tragédia que toda a gente, em todo o mundo, pôde acompanhar em directo, através da televisão, ganhou o efeito de absorvência que a ciência de divulgação corrente atribui aos buracos negros celestes, que apanham, absorvem tudo o que entre dentro da esfera da acção das suas forças internas e nelas se perdem para sempre. De 2001 até agora, a cada novo 11 de Setembro, praticamente mais nada existe senão a memória desse dia infeliz e vergonhoso para a cultura humana, essa cultura que desde há milhares de anos tem procurado acrescentar tolerância e entendimento entre todos os homens.
Mesmo que o poder de absorvência possa estar a entrar em fase de redução da sua intensidade, provavelmente, enquanto Bin Laden continuar a estar na primeira linha dos culpados dos acontecimentos do 11 de Setembro de 2001 e, em consequência, continuar a ser apontado como o inimigo número um da experiência política democrática dos países ocidentais (os EUA incluídos), o 11 de Setembro de 2001 impedirá que de outras coisas se fale e de outras experiências sócio-políticas se conserve memória.
Daí que seja com especial gratidão que abrace o Professor Raúl Iturra, que amavelmente me trouxe a partilha de uma memória especialmente sentida, formada a partir da sua própria experiência pessoal, vivida de corpo e alma, com inteligência e emoção, junto do seu País Chile, do seu Presidente Allende, do seu projecto político socialista latino-americano.
Redobro o esforço de pedir que se tenha presente que não se trata do texto de um estudioso universitário (que Raúl Iturra, afinal, também é), consultando livros, documentos e teses, mas sim de alguém que tem gravada em todas as células do seu ser uma experiência pessoal, social e política que deve fazer parte do património cultural e político de todos aqueles que um dia queiram ocupar-se – para verdadeiramente a resolver - da velha (mas sempre renovada) “questão social”, que assim tomou forma com o pensamento e os escritos de Marx e seus contemporâneos, no século XIX. “Como acabar com a enorme diferença entre ricos e pobres e com as vergonhosas desigualdades em matéria de saúde, educação e oportunidades de realização”, é essa a questão social de Marx, na síntese de Tony Judt.
Ainda antes de apresentar o texto de Raúl Iturra, quero deixar aqui um poema de Pablo Neruda, que é uma forma de lhe agradecer o pedaço de vida que quis partilhar comigo. Creio que Raúl Iturra vai apreciar o poema, se alguma coisa dele conheço, se consegui aprender o que lhe é caro.
Companheiro Raúl, aqui vai:

O teu riso
Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.
Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito
brota da tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.
A minha luta é dura e regresso
com os olhos cansados
às vezes por ver
que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso
sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas
as portas da vida.
Meu amor, nos momentos
mais escuros solta
o teu riso e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso
será para as minhas mãos
como uma espada fresca.
À beira do mar, no outono,
teu riso deve erguer
sua cascata de espuma,
e na primavera , amor,
quero teu riso como
flor que esperava,
a flor azul, a rosa
da minha pátria sonora.
Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.

Como que simbolicamente, Neruda, que desistiu da sua candidatura à presidência do Chile a favor de Allende, em 1970, morreu a 23 de Setembro de 1973, apenas 12 dias depois do golpe militar de Pinochet. De cancro na próstata. Simbolicamente, também?...
Neruda morreu como o nosso imaginário colectivo compôs também a morte de Camões, que morreu quando o Portugal das fantasias sebastianinas também morreu.
A palavra a Raúl Iturra:
Em breve devo partir fora de Portugal para acabar com uma doença que mata. Mortes é o que não queremos. São tantas ao longo da nossa vida! Apenas a nossa mata as outros: não estamos mais por aí para saber o que se passa.
Como esse 11 de Setembro de 1973.
Ouvi, como é habitual, as notícias das 7 da manhã, apenas marchas militares..
Por acaso, estava no Chile, país para o qual tinha sido enviado pelo meu Catedrático da minha Britânica Universidade de Cambridge, Sir Jack Goody, para entender o que era o que se pretendia com a via chilena para o socialismo. Até onde eu saiba ou me lembre, os socialismos de ideologia materialista tinham sido conquistados pela luta armada. Como na Rússia de 1911, como na Cuba de 1959.
O que o democrata Presidente do Chile, o Dr. Salvador Allende pretendia era uma redistribuirão da riqueza, acumulada em poucas mãos, entre todos os habitantes do país. Conquistou o poder por via do voto directo, em época de eleições normais, e a sua eleição foi ratificada pelo Parlamento Bicameral do País: a eleição tinha sido ganha por estreita margem de votos do segundo candidato, era preciso, por causa da Constituição de 1925, uma ratificação, ou não, da parte do Congresso pleno. O Dr. Salvador Allende Gossens ganhou com facilidade essa eleição. O Chile era, e tornou a ser, um país democrata, com uma longa história de respeito e cumprimento da lei. Houve imensas manipulações para impedir o acesso da Sua Excelência, como se diz no Chile aos Presidentes, sejam homens ou mulheres, como é o caso hoje, ou ao cargo de Presidente de todos os chilenos. Era também mau hábito das Suas Excelências, esse governar apenas para os seus apoiantes. Para votar, era preciso pensar com muito cuidado na personalidade do candidato. No caso do Presidente Allende, não havia dúvidas: tinha prometido governar para todos os chilenos. E fez por cumprir essa promessa. Retirou a riqueza do Chile das mãos de estrangeiros, como o Cobre, a maior riqueza dos seus proprietários da América do Norte, a Kenneth Copper Companny, e outras empresas das mãos dos britânicos, como o carvão, os tecidos de tweed; ou dos alemães, as terras das maiores estâncias do mundo, no Sul do Chile, a limitar com a Antárctida: milhares de hectares de terra usadas para criar ovelhas. Todo esse Produto Interno Gerado, o denominado Produto Interno Bruto ou PIB, ia para os estrangeiros. Os ricos do Chile viviam ou da terra ou dos rendimentos alfandegários de exportação da riqueza da nação, como disse Adam Smith em 1775: o pior negócio para uma nação.
O mais estranho era a raiva dos não proprietários com o novo Presidente. Não souberam entender, como, pelo contrário, nos dias de hoje tem feito Joseph Ratzinger ou Bento XVI, o texto
A Ideologia Alemã e a marcada tendência luterana de Marx nos seus textos e acções, imbuídos de uma grande solidariedade cristã. Solidariedade que não está na denominada fé, uma inteligência emocional, como diz Daniel Goleman, mas na acção descrita por Babeuf na França 1785, ou Sylvain Maréchal em 1795, ou Marx e Engels em 1848. Livros básicos para entender que somos todos iguais, livres e fraternos.
Salvador Allende terá lido o texto. Leu, entendeu e agiu. Mas os da confissão católica do Chile não entendiam as crenças cristãs de Marx e Engels, nem sabiam que agiam assim por solidariedade com os espoliados de sempre. A denominada bem-aventurança da caridade parece existir apenas para nós, os materialistas. Allende respeitava verdadeiramente a bem-aventurança da caridade, mas os cristãos não - excepto nós, os cristãos materialistas da Teologia de Libertação e do Movimento de Cristãos para o Socialismo, organizado no Chile a pedido de Fidel Castro na sua visita a Sua Excelência o Presidente. O respeito foi tão faltoso, que a 11 de Setembro de 1973 as Forças Armadas do Chile, instigadas pela CIA por ordem do derrubado Nixon e do Nobel da Paz Kissinger, mandaram matar uma pessoa que apenas tinha cometido um erro: dar a riqueza da nação à maior parte da população, que – compreensivelmente? - a não sabia gerir, começando assim o mercado negro dos produtos básicos.
O Senhor Presidente devia saber que para ter riqueza, é preciso saber gerir bens. Ao lhe dizer esta ideia, achou que eu tinha razão. Mas era tarde demais.
Nesse 11 de Setembro de 1973 ele foi bombardeado pelos Hawkers Haunters da USA e morto, e eu levado a um campo de concentração, julgado sem lei, torturado sem piedade, até Jack Goody - 4 anos de Auschwtichz - e o seu professor, e meu também, Meyer Fortes - 2 anos campo de concentração na África do Sul por judeu e anti-apartheid -, me resgatarem antes do fuzilamento.
Para meu prazer, o ditador que matou o Senhor Presidente morreu em processo penal como réu, faz poucos dias, e a sua família toda viu requisitados todos os bens roubados durante a ditadura, e passaram a ficar em prisão domiciliária ou pública.
Entretanto, como membro de Amnistia Internacional, sei que esse milhão que teve que sofrer, fugir, ou ser torturado, anda ainda por aí, como eu! Com prazer, porque Sua Excelência me ensinara a andar pelas largas avenidas por onde circula o homem livre. Muito obrigado, Senhor Companheiro Presidente!
Muitos devem lembrar-se desse 11 de Setembro de 2001, do World Trade Center, que eu também choro. Mas poucos do Presidente Democrata, Salvador Allende Gossens, hoje em dia mais um Pai da Pátria livre e soberana que o Chile é, pátria a ser governada pela filha do assassinado General Bachelet, fiel ao Companheiro Presidente até a sua morte. Quem manda no Chile é essa leal filha, socialista como o pai, como o Presidente e como muitos de nós, socialistas democratas que vamos sempre a eleições livres e directas. Trinta e cinco anos de sobrevivência, já com um legado de pessoas e experiências em todos os países da Europa, sítio desde o qual lembramos ao nosso Presidente.

1 comentário:

Psikus disse...

Matilde Urrutia, terceira mulher de Neruda, que com ele viveu até à sua morte, descreve nas memórias que depois deixou, os últimos dias de vida do poeta, desde o triste 11 de Setembro até ao definitivo 23 do mesmo mês.
São apontamentos românticos, possivelmente verdadeiros.
A causa final da morte terá sido um enfarte do coração. A causa fragilizante, o cancro da próstata. A causa desencadeante, o golpe militar de Pinochet.
Neruda morreu quando também morreu a utopia do sonho que alimentava para o seu povo. Convidado a abandonar o país, não quis fazê-lo. Provavelmente consciente do seu estado de saúde, continuou a sonhar. A sonhar que das suas cinzas renascesse, um dia, como renovadamente os poetas cantam, o sonho de outro bem-estar e de outra felicidade para todos os chilenos.