sábado, setembro 21, 2013

Hoje conheci uma princesa ciganita

Hoje conheci uma princesa ciganita (21 de setembro de 2013, sábado)
                Hoje, a seguir ao almoço, fui visitar o meu neto nigeriano, que recupera ansiosamente de um osso partido no pé direito. Ansiosamente porque veio para cá atrás do sonho de vencer no futebol e este contratempo põe neste momento em causa a possibilidade de poder continuar no nosso País.

http://i1.r7.com/data/files/2C95/948E/301E/2E00/0130/225F/
0C43/506D/menina%20cigana%20450x338.jpg

                Fui pegá-lo ao Centro Pedro Arrupe, para irmos comer um gelado. Cheguei-me ao carro enquanto o KC saía da sala comum e, pelo lado de fora do prédio, passava ao lote a seguir para ir ao quarto compor-se na roupa.
                Ali encostado à porta aberta do carro, à espera, vi vinda da zona em que o meu neto desapareceu, uma menina, uma ciganita, que desceu o breve lance de escadas que ele também teria de descer para vir ter comigo. Trazia dois sacos de plástico volumosos, um em cada mão. Ambos cheios de lixo. Quando passou por mim olhou-me bem olhado; eu já estava a olhar para ela e continuei a olhar para ela, seguindo-a assim até ao caixote do lixo. A chegar lá, a menina olhou para trás, claramente à minha procura. Sorriu quando viu que eu continuava a olhar para ela e ganhou um jeito um pouco exibicionista no modo como atirou ora um, ora o outro saco de lixo para dentro do caixote.
                A menina tomou o caminho de volta e foi logo evidente que passaria ali muito perto de mim. Era uma menina bonita, magrinha, esguia, muito bem proporcionada. Rosto claro, olhos escuros e cabelo comprido apanhado atrás como é tradição na sua etnia. Que figura agradável!
                Eu queria meter conversa com a menina, mas o ambiente dos prédios
à volta inibia-me de o fazer. Só que tive muita sorte! A menina quando chegou outra vez ao pé de mim parou e lançou-me um vigoroso e bem sorridente “ – Olá!”.” – Olá!”, respondi eu.  “És uma menina muito forte!... Levavas cá cada saco!...” A menina-princesa riu-se, olhou para as palmas das mãos, limpou uma na outra e disse-me, pondo um ar de pessoa séria e com o sentido das responsabilidades, desabafou:  - “Agora tenho de ir fazer os trabalhos da escola…” “Ah!... A escola, não é?, já começou a sério, não foi?...” “Sim, já começou…” E antes que eu tivesse tempo de dizer mais qualquer coisa, deixou de olhar para as mãos, que continuava a limpar uma na outra, olhou para mim e perguntou-me: - “Tu não és daqui, pois não?... O que é que estás aqui a fazer?...”
                Eu já admitia que alguém pudesse estar algures a controlar-me: que faria ali aquele estranho a falar com uma miudita do bairro? Pelo menos, - que isso me valesse! - eu estava à vista de toda a gente; e tive o cuidado de não me aproximar mais da menina desde que ela parara ali à minha frente.
                - “Não, tens razão, eu não sou daqui, vim buscar um rapaz que está aqui no Pedro Arrupe e vou levá-lo a dar um passeio comigo, ele é mais ou menos meu neto.”  Disse isto e fiz um gesto bem exuberante a apontar para a entrada do Centro de Acolhimento para que quem quer que fosse que estivesse a controlar-me  pudesse perceber a razão de eu estar ali. – “Onde é que moras?...” perguntou-me a menina. Achei que era conveniente tomar alguma liderança na conversa e respondi-lhe: - “Moro longe daqui, moro nos Olivais e dou lá aulas numa escola.” A menina-princesa arregalou os olhos, e antes que ela dissesse alguma coisa, eu perguntei-lhe: - “Em que ano andas tu?...”“Ando no terceiro ano, a minha escola é ali para trás”, disse-me ela torcendo-se sobre o seu lado esquerdo e apontando quase a 180 graus para trás de si. – “E tu dás mesmo aulas?”, perguntou-me ela olhando outra vez para mim. – “Sim, dou, mas para teres aulas comigo, tens de chegar primeiro ao 12.º ano…”“Tchiii!... Ainda falta muito!...”, disse ela. – “Não te preocupes, vais lá chegar, e se quiseres ter aulas comigo vais à escola que fica ao pé da Quinta Pedagógica… Sabes onde é a Quinta Pedagógica?...” Sim, ela sabia, já lá tinha estado. – “Depois, quando lá chegares, é só perguntares pelo professor de bigode!...” A menina levou a mão direita acima do lábio superior e esticou ali os dedos indicador e médio, colando-os como se de um farto bigode se tratasse. Riu-se e comentou, divertida: - “O professor de bigode?...”
                Entretanto, o KC, o meu neto nigeriano aproximava-se. Ela olhou-o e perguntou-me: - “É este o seu rapaz?...” Não deixei de repara na diferença de tratamento entre o "tu" e o "seu"; já conheço esta transformação, normalmente é de bom sinal. Disse-lhe que sim e ela afastou-se. Já no patamar do prédio, voltou-se para trás, na minha direção, e gritou, com o dedo indicador direito bem apontado para mim: - “Eu não me vou esquecer do professor de bigode!...” Depois disse-me adeus. Eu não qui deixar de  lhe responder ao aceno e disse-lhe também adeus, de braço bem levantado no ar. O meu neto ria-se, comentando que eu já tinha arranjado mais uma amiga.
                Levei, então, dali o KC até ao Spacio, nos Olivais, ele pediu no MacDonald’s um Sunday com ananás – ele não se apercebeu logo que o ananás era de São Miguel, dos Açores, ilha que ele, afinal, conhecia já de maneira muito especial; e eu deleite-me com o meu gelado favorito: Sunday de caramelo, em bolacha, com pedacinhos de amêndoas.
                O encontro com o KC durou cerca de duas horas. Quando o deixei de novo à porta do Centro Pedro Arrupe, ouvi um grito de gente pequena. Olhei em volta, era a minha princesa a chamar-me; e lá de longe fez-me ouvir muito claramente: - “O professor de bigode, não é?... Eu não vou esquecer-me!...” As pessoas que estavam à volta dela olhavam sem perceber o que estava a acontecer. Eu acenei bem vivamente à menina, deixando que todos me vissem bem. Ela atirou-me um beijinho e eu atirei-lhe outro. Dei um abraço rijo ao KC, ele ria-se e abanava a cabeça a dizer mais ou menos assim: - “Avô, arranjas amigos em todo o lado…” – “E que amiga eu arranjei aqui! É uma princesa!...”

                E fui embora dali.

Sem comentários: