sexta-feira, julho 27, 2012

Citius, Altius, Fortius

Começam hoje, oficialmente, os Jogos Olímpicos de Londres.
São coisas destas que o mundo, absurdo, da formalidade, da política, da organização dos grandes dinheiros e grandes lucros; e, finalmente, das conveniências televisivas vai fazendo: hoje começa, hoje inaugura-se, em jeito de cerimónia de abertura oficial, o que já começou, o que já está a acontecer há dois dias. Pensando bem, se calhar, já há muito tempo que é assim, a gente é que andará mais atentos a estas coisas e dá-lhes outra importância. Quem sabe, há mais tempo que deveríamos ligar a estas coisas...
Enfim, como desabafa tolerantemente o povo, que seja pelo bem das almas. Que seja pelo bem do espírito olímpico, que entrelaça simbolicamente, numa bandeira, cinco arcos coloridos, representando cada um deles  uma parte do mundo:
Citius, Altius, Fortius
Folheei há pouco um pequeno livro que, em 1999, pretendeu juntar alguma sabedoria do milénio. Reconheci um ou outro que já lá tinha lido noutra qualquer altura. Encontrei um provérbio chinês (pelo menos -  o seu a seu dono -, a autoria da sabedoria condensada no pequenino texto é no livrinho atribuída ao povo chinês) que, desta vez, me prendeu mais a atenção. Ruminei... Passei à Net. Encontrei outro provérbio chinês que li também com muita atenção.
Ao lê-lo, saltou-me ao pensamento uma uma analogia que aproxima o atleta do Jogos Olímpicos de Londres do espetador que, bem sentadinho, em qualquer parte do mundo o veja na televisão.
Diz assim o provérbio: 

If you want happiness for an hour -- take a nap. If you want happiness for a day --go fishing. If you want happiness for a month -- get married. If you want happinessfor a year -- inherit a fortune. If you want happiness for a lifetime -- help someone else.
(Se queres ser feliz por uma hora, dorme uma sesta. Se queres ser feliz por um dia, vai à pesca. Se queres ser feliz por um mês, casa-te. Se queres ser feliz por um ano, herda uma fortuna. Se queres ser feliz a vida inteira, ajuda alguém.)
Ora, a tragédia do atleta olímpico comporta estes momentos todos de felicidade: numa hora, num instante, joga a sorte daquele dia, a preparação de todo um mês, as circunstâncias de vida durante um ano; a interrogação da vida que um dia o poeta plasmou: "Valeu a pena?..."
É... talvez o que valha mesmo mais a pena na festa tremenda que hoje começa... oficialmente... seja o espírito olímpico que aproxima, em competição saudável e amiga, os atletas e os povos.
No tempo da Velha Grécia, suspendiam-se as guerras durante a realização dos Jogos, não era?
Londres está coberta de sofisticados equipamentos anti-mísseis.

Sem comentários: