terça-feira, abril 03, 2012

"Há nos confins da Ibéria um povo que nem se governa nem se deixa governar." lê-se na Casa Manuel de Arriaga, na Horta

Guardamos, enquanto povo(s), na(s) nossa(s) memória(s) coletiva(s), imagens e afirmações sobre nós próprios a que nos acomodamos narcisicamente ou com que nos flagelamos masoquisticamente. São balas que disparamos enquanto se ouvem os ecos de verdades acontecidas ou "verdades" inventadas, tantas vezes tornadas mitos; e tanto as verdades como as "verdades" moldam - porque a traduzem fielmente ou porque parecem aconchegá-la na perfeição - a nossa personalidade coletiva, se é que esta "entidade", porventura existe (pela minha parte, acredito que existe; acredito na existência dessa coisa a que, por exemplo, Talcott Parsons chamou personalidade de base).
Hoje, quando procurava absorver tudo o que a espantosa exposição que a Casa Manuel de Arriaga, na Horta, tem para mostrar aos seus visitantes, reencontrei, entre as coisas que a exposição revela, duas dessas tiradas, que guardei como testemunham as fotografias que aqui junto.
A primeira é, hoje em dia, como que um dos arquétipos que formam a identidade, a individualidade e a idiossincrasia dos portugueses enquanto povo. É um quase-arquétipo quer quer fazer-nos crer que estas coisas têm a ver com os genes, certamente, mas também com o chão que pisamos e que nos alimenta; e também com o Sol que nos ilumina e aquece; finalmente, tem ainda a ver com com os horizontes geográficos -  dum lado, a secura de Castela e, do outro, a lonjura do mar.
"Há nos confins da Ibéria um povo que nem se governa nem se deixa governar." afirmou (terá afirmado) Júlio César.
Se o tema dos arquétipos me atraiu por formação académica, a segunda afirmação atraiu-me a atenção pela minha própria identificação ao nome do seu autor e à escola a que me dedico na minha profissão de todos os dias: a escola Eça de Queirós. Diz ele na citação que alguém quis destacar na projeção de slides que, num dos cantos da Casa-Museu,  homenageia e consagra Manuel de Arriaga:
"Que fazer? Que esperar? Portugal tem atravessado crises igualmente más: - mas nelas nunca nos faltaram nem homens de valor e carácter, nem dinheiro ou crédito. Hoje crédito não temos, dinheiro também não - pelo menos o Estado não tem: - e homens não os há, ou os raros que há são postos na sombra pela política. De sorte que esta crise me parece a pior - e sem cura."

Entretanto, para quem tiver curiosidade, aconselho uma olhadela à morada virtual da casa-museu:


Sem comentários: