sexta-feira, abril 06, 2012

Eça sobre Antero: "Um Génio que era um Santo"

Estou no Faial. Tempo invernoso no mar. Em terra, olhos habituados procuram baleias... Nada, nem uma mesmo! Volto do Peter para casa - "Fico de prevenção, se aparecer baleia e forem ao mar, liguem-me, ponho-me logo aqui." Oportunidade criada, oportunidade aproveitada: sentei-me à mesa para ler o extraordinário texto de Eça de Queirós sobre o seu amigo Antero de Quental, açoriano de São Miguel. É verdade, que texto!...
Luís de Magalhães foi o pólo centralizador da contribuição de muitos amigos para o "In Memoriam" que tantos quiseram dedicar a Antero. Magalhães quase desespera com a demora de Eça na entrega do texto. Mas, quando o lemos, percebemos claramente as razões, a espera dos mentores e editores da obra valeu bem a pena!
Com o título "Um Génio que era um Santo", Eça realça em Antero a arte de saber escutar; e afirma em período de uma só oração, para lhe dar melhor destaque: "A grande obra de Anthero, na verdade, foi a sua conversação." Explicita que a arte de Antero não é "só d'escutar, mas de ajudar o pensamento dos outros a surgir dos embaraços da expressão pêrra, a lançar o seu pequenino brilho: - e assim muitos affirmavam que, conversando com Anthero, se sentiam inesperadamente mais inventivos, mais intelligentes... A intelligencia era a d'elle, que, como o generoso sol, feito d'oiro candente, tudo doira em redor."

Sem comentários: