segunda-feira, novembro 29, 2010

Embora os meus olhos sejam os mais pequenos do mundo, dizia António Aleixo

"Embora os meus olhos sejam
Os mais pequenos do mundo.
O que importa é que eles vejam
O que os homens são no fundo."


No passado dia 25, o grupo de professores que conduziu a participação da Escola nos programas do Parlamento dos Jovens 2010 e Euroscola 2010, conduziu também, novamente com o extraordinário empenho dos alunos, uma sessão de apresentação de todo o projeto, desde a sua germinação, em Janeiro deste ano, até à participação festiva de um grupo de alunos e professores da Eça em Estrasburgo, no Parlamento Europeu, de 20 a 26 de Outubro.
A sessão do Dia do Patrono foi conduzida tornando seu lema a seguinte afirmação de Marcel Proust:
"A única verdadeira viagem não é a que nos leva para outras paisagens, mas a que nos leva a ver as coisas com outros olhos."
Honra agora se faça a António Gedeão que, ao seu jeito, nos diz assim, também, sobre o jeito dos olhos:


IMPRESSÃO DIGITAL
Os meus olhos são uns olhos.
E é com esses olhos uns
que eu vejo no mundo escolhos,
onde outros, com outros olhos, 
não vêem escolhos nenhuns.


Quem diz escolhos, diz flores.
De tudo o mesmo se diz.
Onde uns vêem luto e dores,
uns outros descobrem cores
do mais formoso matiz.


Nas ruas ou nas estradas
onde passa tanta gente,
uns vêem pedras pisadas,
mas outros, gnomos e fadas
num halo resplandecente.


Inútil seguir vizinhos,
querer ser depois ou ser antes.
Cada um é seus caminhos.
Onde Sancho vê moinhos
D. Quixote vê gigantes.


Vê moinhos? São moinhos.
Vê gigantes? São gigantes.
             in "Movimento Perpétuo", 1956

Sem comentários: