segunda-feira, agosto 16, 2010

A mãe de Jean-Jacques já deve mesmo ter cabelos brancos

Como já escrevi várias vezes, sempre que posso, tento saber que é feito daquelas crianças que foram famosas a cantar, ou a representar um papel num filme, ou a praticar um desporto.
Agora, soube de um pequeno que, aos 12 anos de idade, representou o Mónaco num concurso Eurovisão da Canção. Foi em 1969, e ficou em 6.º lugar.
Lembro-me ainda bastante bem da interpretação dele, era na altura em que, também para mim, este concurso de canções era absolutamente imperdível.
Ao rever a atuação, fico novamente encantado com a voz e a expressividade facial e gestual do rapazinho - tão em harmonia!, em meu entender, com a letra e a música. Parece mesmo que ele está ali a falar com a mãe, a gente quase que a vê em frente dele, a acentuar-lhe a alegria a a modular-lhe a aflição do sonho.
Tudo era, na interpretação do tema, muito alegre e gaiato; o próprio maestro, Hervé Roy, tinha apenas 25 ou 26 anos.

Que seria, então, feito dele, quarenta anos depois?...Na pesquisa breve que fiz, havia quem o considerasse já morto, num acidente de viação. Felizmente, não.
É cerca de um ano mais novo do que eu, e foi, na última época desportiva, treinador da equipa francesa que foi campeã nacional de rugby, no escalão júnior.
Ele aqui está, numa das raríssimas fotografias que aparece na Internet.


Não sei se ele continua a cantar, vou procurar. Mas, ao que parece, segue um estilo de vida saudável e promove o mesmo estilo de vida junto de fornadas de jovens. Agora, crescido, é Jean-Jacques Bortolaï.
Assim é bom, assim é bonito, assim gosto.

Já agora, aqui fica a letra:
Maman, maman, j'ai fait un rêve merveilleux
Maman, maman, et que j'étais devenu grand

Je marchais au pas, casque, fusil et sac au dos
Dans la lumière d'un matin, le soleil brillait tout là-haut
Il me suivait comme un copain

Maman, maman, j'ai fait un rêve merveilleux
Maman, maman, nous étions partis tous les deux

Sur un grand bateau, tout blanc, flottait pavillon haut
Et moi j'étais le commandant, parti pour les îles du vent
Tu étais fière de moi, maman

Maman, maman, j'ai fait un rêve merveilleux

Mais soudain tout s'arrête de mon rêve d'enfant
Et je vois apparaître la vraie vie des grands
J'ai le temps, j'ai le temps

Maman, maman, j'ai fait un rêve malheureux
Maman, maman, je te voyais les cheveux blancs

Je veux oublier le soldat et le grand bateau
Auprès de toi je veux rester et que Dieu te garde longtemps
Toi, la plus belle des mamans

Maman, maman, je veux rester encore enfant
Garde-moi près de toi, maman
Garde-moi près de toi, maman

Composer(s)Jo Perrier
Lyricist(s)Jo Perrier
ConductorHervé Roy

Sem comentários: