sexta-feira, fevereiro 14, 2014

Mudar o Mundo - será que está mesmo ao nosso alcance?

Ou é da minha vista, ou não há, hoje em dia, nonagenário, ou mesmo octogenário, de consensual respeitabilidade pública e reconhecida sabedoria humana, que escape à pergunta a que sujeitaram também Noam Chomsky. A pergunta aparece no livro que a Bertrand pôs hoje à venda:
- Tem netos. Que tipo de mundo prevê que herdem?
Parece-me que a resposta de Chomsky não traz o apaziguamento à angústia acerca do futuro que o jornalista e, por via dele, os leitores gostariam de receber:
- Uma projeção realista não seria muito atrativa. Mas muito depende da vontade humana, como sempre.
(A realistic projection would not be very attractive. But a lot depends on human will, as always. You cannot predict the course of social movements, of the efforts to change things. We can never do that.)
E pronto! Azar outra vez!... A sabedoria, a lucidez e os longos anos de vida deste homem muito especial não traz o tão desejado apaziguamento.
Antes, David Barsamian tinha questionado o tão politicamente incómodo cientista americano sobre que ação humana faz sentido nos tempos que correm:
- Marx disse que a tarefa não é compreender o mundo mas mudá-lo. O professor devotou grande parte da sua vida a isso.
Outra vez a prudência (e a dúvida?) aconselhou a resposta de Chomsky:
- Valha isso o que valer - caberá a outros decidi-lo. Mas, claro, julgo que é isso que todos deveríamos tentar fazer: mudar o mundo a curto prazo, superar problemas imediatos - alguns deles letais, como desastres ambientais e a guerra nuclear. Por isso, a curto prazo, pode-se trabalhar para isso a que se chama reformas. Outros tentam chegar ao cerne das formas de autoridade ilegítima, desmantelá-las e avançar em direção a uma maior liberdade e independência.
(For whatever it’s worth—that’s for others to decide. But sure, I think that’s what we should all be trying to do: change the world in the short term, overcoming immediate problems—some of them, like environmental disaster and nuclear war, lethal problems. Not small problems. The fate of the species depends on them. So, in the short term, you can work for what are called reforms. Others try to get at the heart of the forms of illegitimate authority, dismantle them, and move toward greater freedom and independence.)
(Noam Chomsky, "Mudar o Mundo", 2014. Bertrand Editora, p. 176)
Empenho pessoal, cidadania ativa, reunião de esforços - o conjunto dos grandes meios e estratégias para o grande remédio do (mau) estado do Mundo. Os governantes, os poderosos, os grandes decisores nunca deverão ter neles depositada a nossa confiança absoluta e boa fé. Dúvida metódica, vigilância constante, controlo efetivo. Estas terão de de ser sempre componentes da nossa "vontade humana".

Sem comentários: