sexta-feira, março 30, 2007

Jorge de Sena, afinal, fez o mesmo!...

Na edição do Público de hoje, na página 45 do caderno principal, vem um artigo de Carlos Fiolhais, professor universitário e reputado cientista que habitualmente gosto de ouvir e ler.
O artigo, que comenta, em tom crítico e em defesa dos mestres (os professores), o enredo de programa de televisão, começa assim:
"Jorge de Sena, depois de zurzir longamente o romance Domingo à Tarde de Fernando Namora, rematava assim: E concluamos com uma nota comprovativa da total isenção com que foi escrito este artigo: eu nunca li nenhum romance de Namora, e muito menos este de que me ocupei. De onde deve concluir-se que a diferença fundamental entre a literatura autêntica e a literatura de consumo está em que, para falarmos desta última, não é necessário lê-la. (...)"
Bem!... O autor do comentário cinéfilo, que falei no apontamento anterior, estará, decerto, ufanando-se com esta chancela de Mestre!...
Na verdade, com exemplos destes, vindos de quem se alcandorou acima de nós, que poderemos nós exigir de quem está ainda abaixo dessa elite sapientíssima?...

Sem comentários: